Steve Vai reconhece e elogia Kurt Cobain como guitarrista: "Não é tão fácil assim" - O MELHOR DA MÚSICA NA WEB

Steve Vai reconhece e elogia Kurt Cobain como guitarrista: “Não é tão fácil assim”

Steve Vai, com toda sua experiência e bom senso que só a maturidade traz, falou bem sobre os guitarristas do Nirvana e do Green Day

Não é de hoje que a velha discussão sobre a qualidade e capacidade técnica dos guitarristas é tema de muito bate boca no mundo do Rock. Diversos músicos e admiradores de segmentos mais virtuosos do Rock, como o Heavy Metal e o Progressivo, se incomodam bastante com a simplicidade técnica e harmonica de outros guitarristas mais econômicos. Mas vale lembrar que música não é uma competição e o instrumento deve estar sempre a favor da composição e não como uma plataforma de exibicionismo do músico. Não é a questão de ser melhor ou pior, a questão é simplesmente usar a guitarra de uma forma ou de outra.

Quando o Grunge surgiu nos anos 90, enquanto algumas bandas como Alice in Chains apresentava arranjos e solos de guitarra tecnicamente mais elaborados porque seus músicos “bebiam mais na fonte do Metal”, por outro lado, o maior e mais influente expoente da cena, Kurt Cobain, bebia em outras fontes nada virtuosas: O Punk e o Indie Rock. Buscando um som simples, direto, furioso e sujo, logo o Nirvana virou alvo de virtuosos que criticavam a limitação tecnica e a simplicidade punk das comosições de Kurt Cobain.

Ora bolas, mas por que toda essa fúria contra músicas mais simples de 3 acordes? Lembrem que o maior guitarrista de todos os tempos, Jimi Hendrix, tinha músicas de 3 acordes como Purple Haze e Wild Thing. The Beatles que é considerada a maior banda de todos os tempos também gravou canções simples de poucos acordes como Love me do e Twist and Shout. E os Rolling Stones? Seu maior hit Satisfaction não tem nem os tais 3 acordes, são apenas 2 acordes a música inteira e um riff ridiculamente fácil de tocar com apenas 3 notinhas.

Afinal, vale lembrar que a estrutura básica do Rock foi toda construída em cima dos mesmos 3 acordes do blues por Chuck Berry, Bill Haley, Little Richard, etc. Quando o Rock surgiu com sua atitude contraventora e a simplicidade harmônica de poucos acordes, os músicos mais conservadores da época, acostumados com jazz e música clássica, classificaram o Rock como uma música pobre e feita por jovens barulhentos e sem capacidade técnica. Acho que na verdade, eles não entenderam a proposta e basearam suas críticas pelo seu desconhecimento a uma regra básica para quem faz música: Muitas vezes o “menos” é “mais”

Steve Vai reconhece a importância de Kurt Cobain e Billie Joe Armstrong como guitarristas

Kurt Cobain

Kurt Cobain

Enfim, para enriquecer este assunto e jogar lenha na fogueira, recentemente o “monstro” virtuoso da guitarra, Steve Vai, durante uma entrevista para a Ernie Ball, falou sobre outros guitarristas que costumam tocar e compor de uma forma bem menos complexa, elogiando por conta de como esses guitarristas não-virtuosos fizeram as suas músicas assim.

Em um determinado momento da conversa, Steve Vai falou especificamente sobre dois desses guitarristas: Kurt Cobain do Nirvana e Billie Joe Armstrong do Green Day, reconhecendo a importancia e competencia artística para fazer a arte da forma que eles se propuzeram a fazer:

Em qualquer área, há duas maneiras de você construir sua obra. Uma delas é através do lado técnico. Para alguém como Allan Holdsworth, seu desejo de atingir uma escala técnica é diferente do que pretendia Kurt Cobain. Mas ambos são válidos pois são indivíduos que passam sua mensagem. Há um lado técnico, mas há um ponto onde você tem que ir além da técnica, você tem que deixar aflorar seus instintos musicais. Dizem que Kurt Cobain não foi um grande guitarrista. Bem, ele ele virtuoso? Com certeza não. Mas ele foi eficaz no que fez? Tente tocar com ele, não é tão fácil. Ou tente tocar como Billie Joe Armstrong (Green Day). Você já o viu tocando? É uma coisa visceral, cada nota e cada acorde se sobressai, soa como se fosse uma grande orquestra, não é uma coisa fácil de fazer. O que ele cria está em sua cabeça e é preciso dominar uma determinada técnica para por pra fora o que ele quer” – Disse Steve Vai

Billie Joe Armstrong

Billie Joe Armstrong

Pois é amigos, pode acreditar! Isso não é uma pegadinha. O primeiro de abril já passou. A música é feita para escutar, agradar e bater na alma. Não é para ser analisada.

About the Author: Tomaz Sussekind

Leave A Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *