No Rio, Ozzy se despede dos palcos brasileiros em noite de peso e emoção

Com uma hora e meia de um show composto de hits da carreira solo e do Black Sabbath, Ozzy fez sua última apresentação no Brasil neste Domingo na Arena Jeunesse.

Um dos grandes ícones da história do Heavy Metal, Ozzy Osbourne, também reverenciado pelos pseudônimos “Príncipe das Trevas” e “MadMan”, aos 69 anos de idade encerrou sua passagem pelo Brasil com a turnê “No more tours 2” neste Domingo, dia 20, na Jeunesse Arena, na Barra da Tijuca.

Exalando carisma, como de costume, Ozzy entrou ao palco pontualmente as 20:30, algo que tem ocorrido freqüentemente com artistas britânicos quando se apresentam no Brasil, para a sorte de quem leva a sério a pontualidade e azar dos cariocas que acham que atraso é algo culturalmente normal. A canção de abertura foi a agitada “Bark at the Moon” que foi recebida com empolgação pelo público presente.

Ozzy no RJ (Foto: Carlos Brito)

Com um público de aproximadamente 10 mil pessoas, em sua grande maioria formado por quarentões e cinqüentões, Ozzy apresentou um show repleto de peso e emoção, fazendo o púbico alternar entre momentos de agitação em hits como “Crazy Train” e “Paranoid” mas também botando metaleiro marmanjão para ficar com os olhos marejados ao cantar “mamãe, eu estou voltando pra casa” – em “Mama, i’m coming home” – Momento fofo para lembrar que headbangers também são bons moços de família.

Acompanhado de uma banda afiadíssima, que incluía entre eles o tecladista Adam Wakeman, filho de Rick Wakeman (tecladista do Yes), e o lendário guitarrista/ fiel escudeiro, Zakk Wylde, que retornou a banda de Ozzy para esta turnê, o nosso querido MadMan fez o show como de costume: brincou, falou, cantou, pulou, bateu palminhas e jogou água na galera do gargarejo. Tudo como manda o tradicional script de um show do Ozzy.

No enorme e quase inacabado solo de guitarra ao final de “War Pigs” (uma das canções do Black Sabbath) o guitarrista Wylde desceu do palco, foi pro fosso comprimentar as pessoas que estavam coladas na grade, onde esbanjou seu virtuosismo e improviso com um solo gigantesco, com direito a tocar guitarra com os dentes, com ela atrás da cabeça e tudo que um guitar hero tem direito. Logo na sequencia veio um solo de bateria que também empolgou o público.

O repertório foi composto de muitos sucessos de sua extensa carreira solo como “Mr. Crowley”, “Crazy Train” e a incrível “No More Tears” que começa com um marcante riff de baixo e termina com um solo matador de Wylde, garantindo um dos grandes momentos da noite. Canções da fase solo de Ozzy se alternavam com alguns hits de sua antiga banda Black Sabbath, entre elas “War Pigs” e a canção “Paranoid” de 1970 que encerrou a noite e a passagem do Príncipe das Trevas no Brasil, após outros shows em São Paulo, Curitiba e Belo Horizonte.

O show foi coeso e intenso. Começou pontualmente as 20:30 e terminou as 22h, após a banda sair do palco, a belíssima balada “Changes” era tocada em playback nas caixas de som, enquanto as pessoas iam lentamente saindo da Arena, exaustos e felizes.

Conforme já havíamos comentado, apesar do nome “No More Tours 2”,Ozzy não está se aposentando em definitivo dos palcos, apenas das turnês mundiais para que passar mais tempo com seus familiares.

 

Setlist:

Bark at the moon

Mr. Crowley

I don’t know

Fairies wear boots

Suicide solution

No more tears

Road to nowhere

War pigs

Medley: Miracle man, Crazy babies, Desire, Perry Mason

Baú do Rock

About the Author: Tomaz Sussekind