L7 revive os anos 90 em um show para lavar a alma!

Nostalgia e emoção se destacam no explosivo show da banda californiana L7

L7 no Circo Voador
(Foto: Tomaz Sussekind)

25 anos após a sua última apresentação no Rio, no extinto festival Hollywood Rock, as “meninas” do L7 mostraram o mesmo vigor, energia e intensidade daquela época, como se o tempo não tivesse passado para elas. Em um show super empolgante para um Circo Voador cheio mas não lotado, o quarteto incendiou a lona da lapa nesta noite de sábado (1) trazendo momentos de nostalgia ao relembrar muitos hits de sua carreira, como “Everglade“, “Monster“, “One More Thing” e a clássica “Pretend We’re Dead” que elas sabiamente guardaram na manga para o bis.

Carismáticas e comunicativas, Donita (voz e guitarra), Jennifer (voz e baixo), Suzi (voz e guitarra) e Demetra (bateria) mostraram porque são consideradas uma grande banda representante do Rock feminino com o seu grunge mesclado com punk rock.

Com um público em sua maioria na faixa dos 40 pra cima, a turma que viveu a cena grunge nos anos 90 agitou na mesma intensidade: pulavam, cantavam  e abriam a roda punk na pista do Circo Voador onde, curiosamente, desta vez até as mulheres se arriscavam no mosh-pit e entravam na roda. Do palco, a mais performática era a ruiva Jennifer que sempre arrancava gritos e elogios eufóricos da platéia. Uma bandeira do Brasil com o nome da banda foi entregue a ela por um fã e posteriormente colocada sobre o seu amplificador.

 

Bandas de abertura

Lâmmia no Circo Voador
(Foto: Tomaz Sussekind)

Antes da grande headliner, rolaram duas bandas cariocas para aquecer a noite fazendo os shows de abertura, para um público mais contido e observador, porém interessado. Abrindo os trabalhos, a primeira a subir no palco foi a Lâmmia, banda formada em 2017 que faz um stoner rock coeso e denso com instrumental bem pesado. Na sua formação, na bateria e na guitarra tem dois músicos da extinta banda Matanza, somado a um vocal feminino que chega a flertar com o blues.

Em seguida veio o power trio feminino Indiscipline. Banda muito bem entrosada, experiente e com uma sonoridade que se aproxima mais ao metal e em alguns momentos ao hard rock. Banda muito boa, com peso mas com potencial comercial, musicistas excelentes, ótimas composições, boas melodias, riffs de guitarra maravilhosos e destaque para a vocalista/ baixista Alice que canta muito!

Indiscipline abrindo o show do L7 no Circo Voador
(Foto: Tomaz Sussekind)

 

O L7 segue a sua tour pelo Brasil e as próximas apresentações são: Domingo (2) em São Paulo, terça (4) em Porto Alegre, quarta (5) em Curitiba e terminando na quinta (6) em Belo Horizonte.

O Baú do Rock fez algumas transmissões ao vivo na sua fanpage do FB assim como no Stories do instagram

Baú do Rock

About the Author: Tomaz Sussekind