Onde o The Who Perdeu as botas… que até Edinho usou

Em 1945, plena guerra mundial e um jovem ortopedista e soldado alemão, Dr. Klaus Maertens, então com seus tenros 25 anos, se fere gravemente em combate e é levado a um hospital da cidade de Munique, na Alemanha. Enquanto se convalescia, a dor de utilizar as botas do exército de então não o deixava confortável e causava dores, com o duro couro das botinas do exército alemão. Então, contando com a ajuda de um ajudante chamado Dr. Herbert Funk (que nome, amigos, que nome), ele criou um solado especial que amortecia suas pisadas e aliviava sua dor e que começou a se tornar extremamente popular entre os idosos alemães. Uma empresa na Inglaterra, chamada Griggs e que já fabricava sapatos se interessou pela novidade, fez uma parceria com Maertens e começou a fabricar as peças em sua fábrica próxima a Londres.

Logotipo da Dr. Martens, empresa inglesa de botas especiais

Rapidamente a bota se popularizou, inicialmente como um opção barata para os operários da então pujante indústria inglesa pós guerra. Daí para virar objeto da contra cultura foi apenas um piscar de olhos e tornou-se objeto de extrema importäncia para a contra cultura inglesa, os que lutavam contra o status quo e logo foi adotada pelos punks ingleses e os não menos polëmicos skinheads.

Punks ingelses da década de 80 usando as botas

O primeiro grande rock star a usar as botas do Dr. Maertens foi Peter Townshend, vocalista do The Who, que se incorporou à contra cultura inlgesa e comprou essa bota em uma loja d Londres nodistante 1967 e com ele foi aos palcos com seus shows alucinantes. Ele então reagia contra a cultura existente do rock e, em suas próprias palavras, “eu estava canasado de subir ao palco vestido como uma árvore de Natal e decidi utilizar um conceito mais utilitário”. Peter fez, inclusive, Elton John vestir uma dessas botas em 1975. Essa exposição causou, então, uma explosão junto ao underground inlgês e os anos 70 vieram com mais bandas adotando a Dr. Martens, entre elas os The Sex Pistols (que tiveram uma edição especial no ano passado) e o The Clash. Muito ligado à cultura punk e de reação ao sistema, as botas fizeram muito sucesso entre músicos, sendo que até mesmo Eddie Veder, do Pearl Jam, a utilizou em alguns shows no início dos anos 90.

Botas em exposição na loja da Dr. Mertens em Berlim.

Eu não tinha a menor ideia da importância dessa bota como símbolo da anti-cultura até que minha filha me pediu para procurar uma loja da Dr. Marten durante um final de semana em Berlim. Na pequena loja em uma típica rua alemã (Neue Schönhauser Str. 2) ela encontrou o que procurava e eu acabei encontrando Victoria e Valentina, duas vendedoras que me explicavam o conceito da marca, até que vi o indefectível alvo de 3 cores (do ãlbum Quadrofenia) estampados em uma bota e fui perguntar se era do The Who… quem não queria mais sair da loja era eu… Victoria, que estava usando a bota em homenagem ao The Sex Pistols, e Valentina (que tem um braço coberto de tatuagens feitas por ela mesma!!!!) me confirmaram e disseram que aquela era a edição especial da Primavera européia, em homenagen a Townshend e The Who.

Não importa o quanto eu aprenda, o rock sempre tem novas lições para me ensinar

Baú do Rock

About the Author: Luiz Totti