“Everlong” o hit do Foo Fighters que quase ficou de fora do álbum.

Em recente entrevista à BBC, Dave Grohl revelou que relutou em incluir esta canção que foi gravada de forma despretensiosa

Uma canção composta de forma despretensiosa e que a princípio não deveria entrar no disco, mas por algum motivo acaba entrando e se tornando um enorme sucesso. Este é o tipo de coisa que acontece bem mais do que se imagina. Muitos são os casos como este, aqui no Brasil podemos citar alguns exemplos como “Selim” dos Raimundos, que foi feita de brincadeira e a banda relutou muito em grava-la pelo fato de ter uma letra muito boba e ser completamente diferente do estilo da banda e do resto do repertório. Mas após incluir no álbum de estreia, foi a canção que alavancou a carreira da banda brasiliense, se tornando hit obrigatório no set list. O mesmo se aplica a uma versão voz e violão de “Por Enquanto” do Renato Russo que foi registrada de forma despretensiosa por uma cantora até então desconhecida, mas ao ser lançada revelou o vozeirão de sua inesquecível intérprete Cássia Eller, tomando as rádios FM de assalto.

Esta “magia” quase que inexplicável também aconteceu com Dave Grohl lá no ano de 1997 durante a gravação do álbum “the colour and the shape” do Foo Fighters. O “Patinho feio” da vez é a canção “Everlong”, um dos maiores hits do grupo de Dave Grohl que além de ter se tornado um grande sucesso mais do que obrigatório nas apresentações, acabou virando uma espécie de “We are the champions” do Foo Fighters, pelo fato de sempre encerrarem os show com ela, da mesma forma que o Queen fazia com a sua emblemática balada dos campeões.

Dave Grohl explicou para a BBC que sua canção “Everlong” surgiu de uma brincadeira que a banda fazia no intervalo das sessões de gravação do segundo disco:

“Eu a considerava uma má imitação da Sonic Youth. Tipo, ‘Oh, soa como ‘Teenage Riot ou alguma coisa, ‘É o riff da Sonic Youth,’ sabe? Eu não esperava que ‘Everlong’ seria a música com a qual terminaríamos o set pelos próximos 25 anos. Eu pensei: ‘Isso é legal’. No entanto, por qualquer razão, as pessoas se conectaram a ela e eu amo cantá-la. Toda noite.”

Assista o videoclipe de “Everlong”

Baú do Rock

About the Author: Tomaz Sussekind

Tomaz Sussekind