Zé do Caixão: o fim de uma jornada Rock’n’Roll

Morreu nessa Quinta-Feira, dia 19 de Fevereiro, aos 83 anos de idade, o cineasta, produtor e mais famoso ator brasileiro de todos os tempos, o José Mojica Martins, e não poderia começar essa matéria de outra forma senão com o Tema de seu personagem mais famoso, o Zé do Caixão

Se você está se perguntando o porquê de um site de rock tratar da morte de um ator de cinema, melhor rever seus conceitos. Zé foi (e é) inspiração para muitos rockeiros que talvez você admire, mas não sabe. Mas antes, um pouquinho de história. 

Sua primeira câmera veio quando tinha 12 anos e, desde então, passou a produzir filmes, inicialmente extremamente amadores e exibidos nas vizinhanças, até profissionzlizar-se na arte, no início dos anos 50. A partir de um pesadelo, em 1963, criou seu mais famoso personagem, o Zé do Caixão e, com ele, aterrorizou toda a juventude dos anos 60, além de criar o caos na sociedade religiosa e conservadora da época.

Zé do Caixão foi um ídolo não só dos cinéfilos, mas de muitos rockeiros-raiz, que viam no personagem o mesmo espírito libertador e revelador do rock e, não por acaso, serviu de inspiração para muitas bandas e músicos em solo Tupiniquim. Talvez nem tanto no circuito comercial, embora o Sepultura tenha trazido o Zé do Caixão em sua música Prelúdio, mas no underground do rock brasileiro, há várias referências ao personagem.

Veja a abertura feita com a voz de Zé do Caixão para a música Prelúdio:

 “O que é mais violento: Os animais, a força da natureza? Não!  É o aprisionamento da liberdade de expressão. Sentir, ouvir e não poder falar”

Outro exemplo é a Banda Maldita, com a música “Maldito (Zé do Caixão)”, o primeiro single do quarto disco da banda. “Tivemos a honra de ter a participação especial de José Mojica Marins, mais conhecido como Zé do caixão. Essa música é uma homenagem a ele que sempre nos influenciou, principalmente no sentido de fazer sempre o que gosta independentemente de qualquer coisa.”. Veja o clip e ouça a música abaixo

Outra banda, o Metacrose, veio com a música “Zé do Caixão”. Segundo o vocalista Vinícius Laurindo, “É uma honra ter o mestre do terror José Mojica em nosso CD. A homenagem da Metacrose é singela, mas feita para um grande cineasta brasileiro. Acreditamos que sua contribuição para o cinema nacional é de grande relevância e valorizamos isso”. A letra traz “Eu sou o lobo em pele de cordeiro. Meu nome é Zé do Caixão”

Todos sabemos que Zé do Caixão era a irreverência em pessoa e, por isso, não poderia terminar essa matéria de uma forma diferente que não fosse com uma marchinha de carnaval (sim, você ouviu bem, CARNAVAL), feita para ele nos tempos do politicamente incorreto. 

Descanse em paz, Zé! Temos a certeza de que o inferno não será mais o mesmo a partir de hoje!!!! Seu legado estará para sempre preservado

Baú do Rock

About the Author: Luiz Totti

Avatar