Shows ao vivo: quando voltarão?

Essa é uma das grandes perguntas que a indústria do entretenimento tem feito desde os primeiros cancelamentos devido à crise causada pela pandemia do Covid-19. Fato é que a única “vacina” proposta pelos especialistas em epidemiologia é o distanciamento social, o que é literalmente impossível de ser cumprido em grandes eventos, sejam eles musicais, sociais ou esportivos e, por essa razão, todos foram adiados ou cancelados.  

O jornal The New York Times publicou, no último dia 10 de Abril, o resultado de um painel com especialistas para discutir a abertura da economia e uma expectativa de tempo para que isso ocorresse. Os convidados, desde presidentes de ONGs até Professores de Universidades Americanas, foram: Rev. Dr. William J. Barber II, Anne Case, Zeke Emanuel, Vanita Gupta, Peter Singer e Emily Bazelon, essa última a moderadora do evento. 

O Dr. Zeke Emanual, bioético e diretor do Instituto de Transformação do Sistema de Saúde na Universidade da Pensilvania desenvoveu, junto com outros especialistas, um plano para mitigar a propagação do Covid-19 nos Estados Unidos e reabrir a economia de forma segura e sustentável no começo de Junho. Entre suas recomendações, estavam: manter a política de isolamento social até o dia 20 de Maio, testar milhões de pessoas mais rapidamente, mapear e testar indivíduos próximos a contaminados e restrições de transportes coletivos, entre outras.

Encurtando a história, o Dr Zeke entende que a saída do isolamento terá que ser parcial, respeitando critérios rígidos de higienização e iniciando por negócios que permitam a distância segura entre funcionários ou clientes. “Grandes encontros, como conferências, concertos, shows e eventos esportivos, de forma realística, não devem retomar até o Outono de 2021 (a partir de Setembro do ano que vem)”. Esse período coincide com a estimativa de desenvolvimento de uma vacina contra o covid-19 feita pelo Dr. Fauci, que faz parte da força-tarefa da Casa Branca no combate ao vírus

O primeiro Governador americano a adotar a mesma linha de raciocínio foi Gavin Newson, da Califórnia, que disse,  em sua conferência à imprensa do dia 14 de Abril, que “A possibilidade de haver grandes eventos até que tenhamos capacidade de imunização em massa é próxima a zero”, reforçando que a determinação pode mudar em caso de novidades significativas no desenvolvimento de vacinas.

E, falando em vacinas, a Johnsonn & Johnsonn anunciou, também no dia 14, que já identificou uma possível alternativa e iniciou planos para produzir o composto na Holanda e nos EUA, “a risco” (at risk), ou seja, sem que o estudo tenha sido completamente finalizado e provado. O objetivo, segundo os executivos da empresa, é que, provada a eficiência contra o Covid-19, já haja estoques suficientes para começar a imunização imediatamente, encurtando o tempo de produção e distribuição. 

Pelo andar da carruagem não deveremos ter nossos ídolos de volta aos palcos em 2020 mas, com a dedicação dos cientistas e especialistas, talvez tenhamos uma chance de vê-los de volta no segundo trimestre do ano que vem!

Os links para as fontes desse artigo estão aqui: 

Cancelamentos de shows: http://baudorock.net/2020/03/cancelavirus-espalhando-se-pelo-mundo-com-muita-rapidez/

Reportagem do NY Times https://www.nytimes.com/2020/04/10/magazine/coronavirus-economy-debate.html

Depoimento do Governador da Califórnia: https://www.blabbermouth.net/news/california-governor-says-concerts-are-unlikely-to-return-without-coronavirus-vaccine/

Yahoo Finance, sobre a vacina: https://finance.yahoo.com/news/jj-coronavirus-vaccine-we-plan-to-begin-production-at-risk-imminently-210204457.html

Baú do Rock

About the Author: Luiz Totti

Avatar