Aclamado? Esperado? Odiado? Menosprezado? Subestimado? Edu Falaschi – Vera Cruz

Aclamado? Esperado? Odiado? Menosprezado? Subestimado?
O que penso sobre o novo disco do Edu Falaschi – Vera Cruz

Hoje estava ouvindo pela enésima vez o disco completo do Edu Falaschi, e estava refletindo sobre o murmúrio (ou a falta dele) que esse disco causou.

Após todos os acontecimentos e desentendimentos entre os membros atuais e ex-integrantes da banda Angra, confesso que fico feliz de ver que eles estão seguindo em frente!

Para darmos continuidade sobre o assunto tema, é preciso falarmos antes sobre a banda Angra, banda essa que gera inúmeras divisões entre os fãs, uns preferem a época do André Matos ( Que descanse em paz, nosso maestro que foi tão desvalorizado em solo tupiniquim), tem a galera que prefere a época do Edu Falaschi, e tem a galera que prefere o período atual com o Fábio Lione, e tem também as sub divisões, onde uns preferem dois dos três vocalistas, e imagino eu que uma minoria (da qual faço parte) gosta dos 3 vocalistas!

Quando essas divisões ocorrem, alguns fãs se sentem como viúvas de seus ídolos, e geram todas aquelas discussões desnecessárias. Vamos aos fatos!
Toda vez que uma banda se dissolve, seja por partes, ou por completo, temos de entender que disso pode e vai surgir muita coisa boa! (Pelo menos tento ver essas coisas por esse prisma) .

Afinal de contas vocês acham que teríamos o Megadeth. Se o Dave Mustaine não tivesse sido dispensado do Metallica? Teríamos Shaman, ou a carreira solo do André Matos se ele ainda estivesse no Angra? Aliás, teríamos Angra se o André não tivesse saído do Viper?  Teríamos Soulfly, Cavalera Conspiracy, se não tivesse ocorrido o que aconteceu no Sepultura? (Isso independente das circunstâncias que ocorreram) . Até no Guns N’Roses isso aconteceu, pois dali surgiu o Velvet Revolver, Slash and the conspirators e tantas outras coisas com os integrantes da banda. Ou seja, quero dizer que quem ganha com isso somos nós, sim nós que consumimos esse tipo de som, é como se as bandas se multiplicassem e não se dividissem…

Bom voltando ao disco do Edu, após todos os barracos, trancos e barrancos sobre o show do Edu com o Temple of Shadows in Concert (que particularmente gostei muito também), onde gerou toda aquela polêmica sobre quem tem direito ou não das coisas. Saiu o novo disco do Edu, o Vera Cruz. E cara que ESPETÁCULO que ficou!
É muito bom ver que o Edu, o Aquiles e a banda como um todo estão tocando em frente. Fizeram um material de uma qualidade excepcional, com participações do Max Cavalera, e da Elba Ramalho (que ficou do c@r####). Muito bom ver o Edu voltando, e junto com ele sua qualidade vocal e musical. É notório todo o trabalho e dedicação que colocaram nesse álbum em todos os mínimos detalhes, só posso dizer que a qualidade transparece. (Se você ainda não ouviu, vale a pena conhecer esse trabalho)

Me entristece saber que o disco Vera Cruz é um sucesso no Japão e em outros lugares do mundo, mas aqui no Brasil, é muito pouco (ou quase nada) divulgado. Não só com eles, mas com o Angra e o Shaman, e tantos outros músicos e bandas brasileiras. Infelizmente nosso país é muito pobre em música hoje em dia culturalmente falando. O público que gosta desse tipo de som é muito seleto em nosso país, e isso torna mais difícil ainda novas bandas surgirem.

Nós já somos tão poucos, e ainda sim temos pessoas (no nosso meio) que preferem achar que tudo é ou está um lixo.

Vamos apoiar mais nossos músicos bandas brasileiras, tem muita coisa de qualidade por aí, e eles precisam do nosso apoio e força!

Long Live Rock’n Roll!

Um abraço!

Confiram abaixo essa obra prima com participação da grande Elba Ramalho!

Baú do Rock

About the Author: Leonardo Fiod

%d blogueiros gostam disto: